Fundação Cultural Cassiano Ricardo

A vida e a obra de Cassiano Ricardo em um debate com especialistas sobre a trajetória do poeta joseense. Essa é a proposta de um encontro filosófico que será realizado na noite dessa quinta-feira (24) em um dos eventos que estão dando início à 47ª Semana Cassiano Ricardo, da Fundação Cultural. A atividade será na sala de leitura do Parque Vicentina Aranha (Rua Prudente Meireles de Moraes, 302 – Vila Adyana) com a participação do escritor Pedro Paulo, dos jornalistas Júlio Ottoboni e André Freire e Regina Célia Gianesella, da família do poeta.
O jornalista, poeta e ensaísta Cassiano Ricardo nasceu em São José dos Campos em 26 de julho de 1895 e faleceu no Rio de Janeiro em 14 de janeiro de 1974. Ele foi um dos líderes do movimento pela Semana de Arte Moderna de 1922, participando ativamente dos grupos "Verde Amarelo" e "Anta", ao lado de Plínio Salgado, Menotti del Picchia, Raul Bopp, Cândido Mota Filho entre outros artistas.
Ele ocupou a cadeira nº 31 da Academia Brasileira de Letras em 9 de setembro de 1937. Entre as obras de Cassiano estão: “A flauta de Pã” (1917), “Vamos caçar papagaios” (1926), “Borrões de verde e amarelo” (1927), “Martim Cererê” (1928), “O sangue das horas” (1943), “Um dia depois do outro” (1947) e “Jeremias sem-chorar” (1964).
A abertura da Semana foi nessa quinta (24), às 10h, na Biblioteca Pública Cassiano Ricardo onde foi lançada a exposição: “Raras Superfícies”, com as edições de livros do autor que integram a coleção de “Livros Raros”, doados por ele à biblioteca por ocasião da sua inauguração.
Nessa exposição, que fica em cartaz até 10 de novembro, estão expostas ilustrações de Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti e Oswaldo Goeldi feitas especialmente para as obras do escritor.
A professora e escritora Dirce Araújo foi a primeira palestrante dessa edição da Semana Cassiano Ricardo. Um público de quase 150 adolescentes de escolas de São José dos Campos ouviu uma explicação da obra Martim Cererê, uma das mais importantes do poeta. Escrito em 1928, o livro épico discorre sobre a lenda do surgimento da noite e do desenvolvimento do Brasil.
“A escritora explicou muito bem, deu vontade de ler outros livros de Cassiano”, contou a estudante de Ana Beatriz Paião, de 16 anos. William Douglas, de 15 anos, descobriu nessa visita que a pessoa que recebe homenagens em tantos locais na cidade era um famoso poeta e escritor. “Achei bem legal a história de Martim Cererê. Ela é cheia de suspense”, disse o estudante.
Além da abertura da 47ª semana, também foi comemorado o 45º aniversário da Biblioteca Pública Cassiano Ricardo, onde foram anunciados projetos de revitalização do espaço.
A biblioteca foi inaugurada, oficialmente, no dia 20 de outubro de 1968 e contou com a presença do poeta joseense que dá nome ao espaço. O prédio onde ela está instalada é patrimônio preservado. A biblioteca tem um acervo com mais de 70 mil livros.
Poesia no Ponto -  Nesse primeiro dia da Semana Cassiano Ricardo também foi lançado o projeto “Poesia no Ponto” em uma parceria coma Secretaria de Transportes. Trechos da obra do escritor joseense foram colocados em pontos de ônibus com artes feitas a partir de elementos da cerâmica Weiss, num trabalho cheio de grafismo, cores e lirismo.
Quatro locais foram contemplados: Av. Olivo Gomes, em Santana (em frente ao CEFE),  Av. Cidade Jardim, no Bosque dos Eucaliptos (próximo ao SESI),  Rua 66, no Jd. Diamante e Rua Porto Rico, na Vista Verde.
“Eu reparei quando algo diferente logo quando desci do ônibus. A gente corre atrás de tantas coisas, que vive sem tempo para ver coisas tão bonitas como essas palavras”, disse a estudante de serviço social Eliane de Fátima Monteiro.   
A dona de casa Márcia Santos lia os poemas enquanto esperava o ônibus. “Desperta a nossa curiosidade para lembrar de poesia, porque a gente se esquece dessas coisas”, comentou Márcia.
Esse é a fase experimental do projeto, que pretende utilizar os abrigos de pontos de ônibus distribuídos por todas as regiões de São José dos Campos para a leitura e visualização de textos poéticos. A ideia é também dar oportunidade para que outros artistas também utilizem esses espaços para mostrarem trechos do trabalho deles.  
Programação -  Estão sendo realizadas mais de 60 atividades como exposições, oficinas literárias, narrativas de histórias, saraus, shows musicais e outras atrações em casas de cultura, biblioteca, teatros, escolas, parques, entre outros espaços.
Entre os convidados para homenagear o poeta estão o escritor, e jornalista Fernando Jorge, contemporâneo de Casssiano, Zé Miguel Wisnick, Ná Ozetti, Luiz Tatit, Fernando Morais, Elisa Lucinda, Hélio Ziskind, entre outros nomes que contribuem num trabalho de fusão entre literatura e outras artes.
Uma novidade é que pela primeira vez a Semana Cassiano Ricardo será realizada em conjunto com a Bienal do Livro, uma parceria com a Secretaria Municipal de Educação para valorizar o incentivo à leitura e à literatura em São José dos Campos.
Outro destaque é a exposição “Anos 60: arte e história”, no Cine Santana, com documentos, jornais, fotografias e objetos que vão resgatar um momento significativo da cultura joseense, quando foram criados o Conselho Municipal de Cultura, a Semana Cassiano Ricardo e a Biblioteca Pública Cassiano Ricardo, que completa 45 anos de existência.

 


Confira aqui a programação.

Programação

Links