Fundação Cultural Cassiano Ricardo


Com a suspensão das atividades culturais em todo o país, a FCCR não parou, a não ser por um pequeno lapso de tempo.

Eis que chega o ano de 2020 e a Fundação Cultural Cassiano Ricardo (FCCR), como todo o mundo, foi surpreendida infelizmente com a pandemia. Estávamos preparados, fazendo o planejamento para concluir nosso ciclo frente à entidade com a mesma disposição e vontade de dar continuidade ao excelente e reconhecido trabalho durante os três últimos anos. Trabalho esse que tem o reconhecimento tanto da classe artística como da população em geral, sabedores da existência de algumas restrições por se tratar de ano eleitoral.

Com a suspensão das atividades culturais em todo o país, a FCCR não parou, a não ser por um pequeno lapso de tempo, se reinventando, literalmente, para adequar seus projetos culturais utilizando-se de plataformas digitais, garantindo assim não só o trabalho dos artistas credenciados como também proporcionando o acesso da comunidade às atividades culturais.

Para que isso pudesse acontecer, vale enaltecer o brilhante trabalho da nossa equipe de colaboradores que, independentemente das recomendações de isolamento social, não mediu esforços para adequar e manter as atividades artísticas, fazendo com que o setor da Cultura e os artistas, que estão sendo frontalmente atingidos pela pandemia, possam ter amenizados seus prejuízos.  

Iniciamos com o consagrado programa Arte nos Bairros. Foi a primeira grande ação e uma nova experiência de trabalho que resultou no formato virtual, possibilitando a continuidade das atividades culturais para os aprendizes de todas as casas de cultura da cidade, mantendo os orientadores artísticos na ativa. Somente nos primeiros quinze dias do mês de abril, cerca de 2.000 aprendizes foram atendidos e 110 orientadores de oficinas puderam exercer seu ofício, somando-se aos 18 produtores mediadores das oficinas. A partir da próxima quinzena de junho, o número de turmas será ampliado para 270, com novas atividades e maior carga horária de trabalho.

Em seguida, retomamos as ações formativas que envolvem alunos, bolsistas e professores, como a Companhia Jovem de Dança, Coro Jovem Sinfônico, Tap da Longevidade (Sapateado para maiores de 45 anos) e o Centro de Artes Circenses. No total, são 180 alunos e bolsistas e 25 profissionais envolvidos.

Por meio do Fundo Municipal de Cultura, abrimos dez editais, disponibilizando recursos na ordem de R$ 1.435.000 (hum milhão, quatrocentos e trinta e cinco mil reais), que beneficiará diretamente 97 artistas e grupos nas áreas de: audiovisual, literaturaartes visuais, culturas populares e artes de rua, temporada em espaços independentes e diversidade, gênero e etnia. Destes, seis estão em andamento e outros quatro possibilitaram adequações para o modelo virtual, enquanto perdurar o isolamento social, sendo mais uma inovação.

Os artistas dos projetos Circulação e Arte nas Ruas começam a ter atribuições de apresentações, contemplando neste primeiro momento aproximadamente 140 artistas.

Os Alunos do Projeto Tama, música afro brasileira, e do Curso de Introdução à História da Fotografia, retomaram suas aulas no formato virtual.

No final deste mês, acontecerá o VI Encontro de Capoeira Angola, uma importante manifestação cultural tombada como patrimônio imaterial da humanidade. O formato on-line vai permitir a interação de mestres capoeiristas de São José dos Campos e de vários outros países.

A Fundação Cultural Cassiano Ricardo, dessa forma, cumpre seu papel institucional, demonstrando sua versatilidade, criatividade e o compromisso de desenvolver de forma objetiva, transparente e plural as atividades culturais na nossa cidade, mesmo em condições críticas como a que estamos vivenciando, prestigiando sempre e dentro dos parâmetros legais e possíveis os artistas locais a quem tecemos nossa solidariedade nesse momento de grandes desafios e incertezas de toda ordem.

Temos a plena consciência de que este é um momento difícil e incerto para todos e, dentro dos limites de atuação de uma instituição pública, estamos imbuídos em trazer soluções para amenizar os impactos da crise no setor cultural, possibilitando que os artistas continuem com suas atividades junto à Instituição, como vivenciamos intensamente nos últimos três anos, culminando com o reconhecimento de ser nossa cidade a Capital Cultural do Estado de São Paulo.

Aldo Zonzini Filho

Presidente da Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Publicado em: 22/05/2020

Programação

 

Links